Na Região Amazônica, os grandes rios e as imensas regiões alagadas, até no período sem chuvas, impediam, como impedem até hoje, a implantação de uma boa estrutura de ligações terrestres entre as localidades. As fortíssimas e constantes chuvas degradam e tornam intransitáveis, no período de um a dois anos, qualquer estrada construída, mesmo as pavimentadas. Mercê da densa floresta tropical, da escassez de estradas de rodagem e das dificuldades de navegabilidade, apresentadas pela maioria das drenagens em alguns períodos do ano, indubitavelmente o transporte aéreo sempre foi e, ainda, é um fundamento de destacado valor no processo de integração e assistência das povoações da Região.

Nesse cenário, entre as décadas de quarenta e oitenta, os hidroaviões e as aeronaves anfíbias exerceram papel importante nos primeiros passos para a implantação e o desenvolvimento da aviação comercial nacional naquela área. De acordo com o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) foram matriculadas vinte e duas aeronaves CATALINA civis (PBY-5, PBY-5A, PBY-6A, Canso A, e Canso OA-10A), para operações de transporte de carga e passageiros, do ano de 1944 ao de 1958.

E o CATALINA, sem dúvida, foi o protagonista central – junto com os sempre anônimos e valorosos Homens que o conduziam e o apoiavam – dessa inestimável contribuição da aviação civil para a preservação e consolidação da integridade cultural e territorial do nosso Brasil na Amazônia.

O enaltecimento dos Homens que conseguiram levar a termo as façanhas dessa verdadeira epopeia de conquistas e realizações dos CATALINA, na Amazônia, jamais poderá ser demasiado. Desde os de visão estratégica e determinação que investiram nos projetos das linhas aéreas de suas empresas e os operacionalizam, aos de espírito corajoso, aventureiro, solidário e abnegado, que tripulavam as aeronaves e as levavam aos mais distantes rincões da Hileia. E, aos desbravadores de mesmas virtudes que, em cada pouso ou amerissagem, lá já encontravam, cuidando de todos os detalhes do apoio não só para o voo dessas máquinas como para o atendimento dos seus tripulantes e passageiros.

Além de vencer as intempéries naturais da Região, tiveram que superar toda a sorte de dificuldades logísticas, implantando tudo o que era necessário à operação segura das aeronaves, muitas das vezes, na inspiração do improviso e da criatividade. Assim foi com as comunicações-rádio, os radiofaróis (NDB) de orientação à navegação aérea, as informações da meteorologia, a marcação e o balizamento de hidropistas, as boias para ancoragem, os flutuantes de embarque, desembarque, e reabastecimento, o suprimento e a manutenção de emergência para os aviões e os equipamentos, entre tantas outras.

Rota AmazonicaRota do primeiro voo da PANAIR, em 25 de outubro de 1933, inaugurando a Linha Amazônica entre Belém e Manaus

Resultante desse trabalho hercúleo, já nos anos cinquenta, a Panair do Brasil cobria toda a Bacia Amazônica em seus voos regulares de transporte de passageiros e carga, operando os PBY-5A CATALINA com pousos em terra e na água.

Rotas da Panair do BrasilRotas da Panair do Brasil, na Bacia Amazônica – década de 50

Maior operadora do CATALINA (1947 a 1965), na aviação civil brasileira, a Panair do Brasil S.A. chegou a possuir oito aeronaves desse tipo, em operação na Região Amazônica. Além dela, empregaram o CATALINA, em suas atividades aéreas comerciais, a Aero Geral (1947 a 1952), a AEROPAN (1954/1955), a Companhia Itaú de Transportes (1948 a 1950), a Paraense Transportes Aéreos (1952 a 1959), a Petrobras S.A. (1959 A 1968), a Levantamentos Prospecções e Aerofotogrametria S. A. – PROSPEC (1952 a 1957), a Serviços Aéreos Cruzeiro do Sul Ltda. (1965 a1971), a Serviços Aéreos do Vale Amazônico Ltda. – SAVA (1952 a 1961), a Transportes, Indústria e Comércio da Amazônia Ltda – TICAL (1955/1956), a Transportes Aéreos Bandeirantes – TABA (1948 a 1949), a TEXACO, e a Viação Aérea Santos Dumont – VASD (1945 a 1947). A Empresa Aérea Real Aerovias adquiriu, em 1953, um Consolidated PBY-5A, convertido em LANDSEAIRE (iate voador de luxo), que não foi operado em voos comerciais.

CATALINA CIVIS NO REGISTRO AERONÁUTICO BRASILEIROCATALINA CIVIS NO REGISTRO AERONAUTICO BRASILEIRO

Clique no título para acessar a Empresa e seus CATALINAS
AERO GERAL
AEROPAN
COMPANHIA ITAÚ DE TRANSPORTES AÉREOS
PANAIR DO BRASIL
PARAENSE TRANSPORTES AÉREOS
PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. – PETROBRAS
PROSPEC – LEVANTAMENTOS PROSPECÇÕES E AEROFOTOGRAMETRIA
SERVIÇOS AÉREOS CRUZEIRO DO SUL LTDA
SERVIÇOS AÉREOS DO VALE AMAZÔNICO – SAVA
TEXAS COMPANY – TEXACO
TRANSPORTES AÉREOS BANDEIRANTES – TABA
TRANSPORTES, INDÚSTRIA, E COMÉRCIO DA AMAZÔNIA LTDA. – TICAL
VIAÇÃO AÉREA SANTOS DUMONT – VASD
OUTROS CATALINAS DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA

 ***************************************************